E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Como o saber não ocupa lugar, aqui vai mais uma sobre a Vírgula:


Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.


Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!



Detalhes Adicionais:

COLOQUE UMA VÍRGULA NA SEGUINTE FRASE:

SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM  A MULHER  ANDARIA DE QUATRO  À SUA PROCURA.

* Se você for mulher, certamente colocava a vírgula depois de MULHER …

* Se você for homem, colocava a vírgula depois de TEM ...

 

Amorim Lopes

publicado por 59abc59 às 11:39

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Recebemos um Mail envido pelo nosso amigo António Maia, no qual abordava o canto das Janeiras, que neste último sábado foi vivido no Pereiro.

 

"Nesta noite de sábado, o grupo de cantar as janeiras do Pereiro de Mação fez reviver novamente a tradição desta típica aldeia da Beira Baixa.

Divididos em dois grupos, um cantava uma quadra numa casa e o outro respondia cantando a quadra seguinte à porta de outra casa. Foi desta forma que percorreram todas as casas ainda habitadas da terra.

Previsto para o sábado passado, o mesmo foi adiado devido ao forte temporal e à falta de energia elétrica que também se fizeram sentir naquela zona."

 António Maia.

 

A todos os participantes damos os parabéns e desejamos que a força e a saúde nunca lhes falte, para continuar por muitos anos a recordar aquela tradição cultural.

O canto feito naqueles moldes é união, é convívio é cultura e é reviver o passado. Também é Amor e Paz!

 

Amorim Lopes 

publicado por 59abc59 às 11:36

Domingo, 27 de Janeiro de 2013


Imagem retirada da Revista Domingo do jornal Correio da Manhã.


Amorim Lopes
publicado por 59abc59 às 12:19

Sábado, 26 de Janeiro de 2013

No dia em que Deus nos deu o privilégio de podermos festejar mais uma pincelada na tela do quadro da nossa vida, queremos desejar, de uma forma especial, a todos os que connosco vêm convivendo, bem como a todos com quem temos o privilégio de partilhar esta vivência agridoce, que a vida seja um sorriso constante.

Que uma das razões na nossa existência, seja harmoniosamente orlada pelo desfraldar das bandeiras da paz, amor e justiça.

Que o homem adormeça ao sabor de ondas solidárias, esquecendo a energia negativa da inveja, da ganância e do poder.

Que a verdadeira democracia seja a principal razão do nosso viver.

VÍDEO

Amorim Lopes
publicado por 59abc59 às 16:20

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

Continuamente, temos afirmado que o desequilíbrio económico em que vivemos, poderá numa pequena fatia ter sido provocado pela classe média e baixa, por esta ter vivido um pouco acima das possibilidades. No entanto, entendemos que a verdadeira causa do nosso endividamento, teve origem nas altas rendas e privilégios concedidos aos poderosos e endinheirados, que continuamente vão vivendo à custa do povo.

 

VÍDEO

Por entendermos que a dívida foi causada, no essencial, pelos poderosos e endinheirados, que continuamente nos vão esmifrando os poucos euros que vamos juntando, entendemos que esta deve começar a ser paga por estes e não pelo povo, que pouco ou quase nada tem para dar.

Ler o texto publicado no correio da manhã da autoria de Paulo Morais.

 

 

Os cortes e a Corte

 

O estado português tem de reduzir a despesa em quatro mil milhões de euros, por imposição dos compromissos que assumiu com a troika. Na hora de proceder a cortes, exige-se que esta redução atinja os privilégios e as rendas atribuídos aos mais poderosos e não seja feita à custa de mais sofrimentos infligidos ao povo. Até porque ao nível dos privilégios há muito por onde cortar.

 

Comecem, de uma vez por todas, por reduzir os custos das parcerias público-privadas (PPP), desde logo as rodoviárias. Não é admissível que se continuem a garantir, apenas pela existência e disponibilidade de uma qualquer autoestrada, rentabilidades anuais de dezassete a vinte por cento aos concessionários privados. E muito menos se admite que no fim de cada ano estes sejam ainda compensados com bónus milionários... por causa da baixa sinistralidade. Os governantes estão obrigados a baixar os custos que as PPP representam para o erário público em, pelo menos, mil milhões de euros. Para tal, negoceiem a sério ou, em alternativa, expropriem os equipamentos pelo seu real valor, o que diminuiria brutalmente os custos. Em qualquer caso, suspendam de imediato os pagamentos.

 

Haja ainda coragem de estancar a sangria dos juros da dívida pública, que representam a maior despesa do estado e consomem treze por cento dos impostos pagos por todos os cidadãos e empresas. Para baixar o custo do serviço da dívida é necessário competência para a reescalonar e renegociar, coragem para enfrentar o "lobby" financeiro e credibilidade para colocar parte da dívida no mercado interno. Com uma nova atitude, o estado pouparia bem mais de dois milhões de euros.

 

Poder-se-iam ainda economizar largas centenas de milhões nas rendas imobiliárias que o estado continua a pagar para favorecer amigos, começando no Campus de Justiça de Lisboa e acabando em qualquer pequena repartição pública na província.

 

É ao nível dos grandes negócios de favor e da Corte indecente de privilégios que se deve provocar a diminuição da despesa do estado; antes sequer de se discutirem quaisquer novos cortes na saúde ou na educação. Reduzir mais as regalias sociais, apenas para manter intactas as prebendas dos grupos económicos favorecidos pelo regime, seria uma infame traição ao povo.

 

Por:Paulo Morais, Professor Universitário

 

 

Portugal, começa a ser aceite na alta-roda da dança capitalista. É um bom pronuncio!

No entanto, se os nossos governantes, não tiverem a coragem suficiente, para cortar nos privilégios e rendas desmedidas, continuaremos a ser uns pais adiado.

Se continuarmos a procurar cortar no estado social, e menosprezarmos o crescimento económico, Portugal mergulhará num pântano de fome e de miséria. A nossa soberania ficará em risco.

 

Amorim Lopes

 

 

 

 

publicado por 59abc59 às 18:49

Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

Recebemos na nossa caixa de correio um Mail com um conteúdo bastante interessante e didáctico. Como também nos pode ajudar por uns instantes, a esquecer o momento triste que vivemos, achámos por bem fazer a sua publicação.

Tudo o que possa contribuir para nos ajudar falar bom português nunca é demasiado.

 Não perdemos nada em aprender, pois o saber não ocupa lugar.



LER ATÉ AO FIM

 

VOCÊ SABE O QUE É UM PALÍNDROMO?

Um palíndromo é uma palavra ou um número que se lê da mesma maneira nos dois sentidos, normalmente, da esquerda para a direita e ao contrário.

Exemplos: OVO, OSSO, RADAR. O mesmo se aplica às frases, embora a coincidência seja tanto mais difícil de conseguir quanto maior a frase; é o caso do conhecido:

SOCORRAM-ME, SUBI NO ONIBUS EM MARROCOS.

Diante do interesse pelo assunto (confesse, já leu a frase ao contrário), tomei a liberdade de seleccionar alguns dos melhores palíndromos da língua de Camões...



ANOTARAM A DATA DA MARATONA

ASSIM A AIA IA A MISSA

A DIVA EM ARGEL ALEGRA-ME A VIDA

A DROGA DA GORDA

A MALA NADA NA LAMA

A TORRE DA DERROTA

LUZA ROCELINA, A NAMORADA DO MANUEL, LEU NA MODA DA ROMANA: ANIL É COR AZUL

O CÉU SUECO

O GALO AMA O LAGO

O LOBO AMA O BOLO

O ROMANO ACATA AMORES A DAMAS AMADAS E ROMA ATACA O NAMORO

RIR, O BREVE VERBO RIR

A CARA RAJADA DA JARARACA

SAIRAM O TIO E OITO MARIAS


ZÉ DE LIMA RUA LAURA MIL E DEZ


E sabe o que é tautologia?


É o termo usado para definir um dos vícios, e erros, mais comuns de linguagem. Consiste na repetição de uma ideia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido.

O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'. Mas há outros, como pode ver na lista a seguir:
- elo de ligação
- acabamento final
- certeza absoluta
- quantia exacta
- nos dias 8, 9 e 10, inclusive
- juntamente com
- expressamente proibido
- em duas metades iguais
- sintomas indicativos
- há anos atrás
- vereador da cidade
- outra alternativa
- detalhes minuciosos
- a razão é porque
- anexo junto à carta
- de sua livreescolha
- superávit positivo
- todosforam unânimes
- conviver junto
- facto real
- encarar de frente
- multidão de pessoas
- amanhecer o dia
- criação nova
- retornar de novo
- empréstimo temporário
- surpresa inesperada
- escolha opcional
- planear antecipadamente
- abertura inaugural
- continua a permanecer
- a últimaversão definitiva
- possivelmente poderá ocorrer
- comparecer em pessoa
- gritar bem alto
- propriedade característica
- demasiadamente excessivo
- a seu critério pessoal
- exceder em muito .

Note que todas essas repetições são dispensáveis.

Por exemplo, 'surpresa inesperada'. Existe alguma surpresa esperada? É óbvio que não.
Devemos evitar o uso das repetições desnecessárias. Fique atento às expressões que utiliza no seu dia-a-dia.

Gostou?
Reenvie para os amigos amantes da língua portuguesa.


E, assim, se fala em bom português


No popular diz-se : 'Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho carpinteiro'
Correcto será : 'Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro'
 
- Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.'
Enquanto o correcto é: ' Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.'

'Cor de burro quando foge.'

O correto é:  Corro de burro quando foge!

Outro que no popular toda a gente erra:


  'Quem tem boca vai a Roma.'
  O correcto é:
'Quem tem boca vaia Roma.' (isso mesmo, do verbo vaiar).


Outro que todo mundo diz errado,

'Cuspido e escarrado' - quando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa.    

O correto é: 'Esculpido em Carrara ."  (Carrara é um tipo de mármore) 

Mais um famoso... 'Quem não tem cão, caça com gato.'
O correto é:
'Quem não tem cão, caça como gato..." ou seja, sozinho! 
 


 
Será que falava correctamente algum destes ditados?


Amorim Lopes

publicado por 59abc59 às 16:34

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

O Fado foi classificado como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2011. É para nós, o género musical que mais evoca o espírito português.

É um tesouro musical e um dos maiores orgulhos nacionais, é belo e tocante, mas se interpretado sem sentimento pode ser pomposo e subserviente.

Existem dois tipos de Fado: um originário dos bairros lisboetas de Alfama e da Mouraria, e outro de Coimbra.

Com "raízes" no fado de Lisboa, apresentamos um vídeo com dois temas cantados por Ana Moura, no Teatro da Luz, no programa emitido pela Antena 1, “Viva a Música”, apresentado por Armando Carvalhêda.

VÍDEO

Hoje pelas 21,30 horas no Teatro Avenida em Castelo Branco, Ana Moura apresenta o seu último trabalho "Desfado".
Amorim Lopes
publicado por 59abc59 às 15:49

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2013

Muito se tem vindo a falar na “Refundação do Estado”. Entre os sapientes deste pacato povo, o verbalismo tem sido bastante dinâmico e algumas vezes quente, procurando defender em alguns casos pontos de vista opostos.

Uns procuram tirar e outros tentam dar.

É uma confusão constante, uns defendem os interesses populares e alguns outros, armam-se em defensores de uma minoria aburguesada. 

A enfeitar este bolo agridoce, eis que surge a cereja amarga e recheada com a sapiência do FMI:

São medidas duras as propostas apresentadas pelo FMI.

Como os nossos governantes procuram ser bons alunos e diariamente, viram as costas à miséria e à fome, não me admira que a percentagem de aprovação de tais medidas atinja os 80% a 90%.

Estão constantemente com os corruptos deste País.

Vale a pena ler o artigo de opinião, de Paulo Morais, publicado no Correio da Manhã. 

  

Sem dó nem piedade

“Aos políticos corruptos nunca são assacadas nenhumas responsabilidades pelos seus atos. Violam leis e regulamentos, patrocinam negócios ruinosos para o Estado, enriquecem de forma obscena e nada lhes acontece.

Até hoje, a impunidade tem sido absoluta. O regime jurídico da tutela administrativa impõe, por exemplo, a perda de mandato num conjunto de circunstâncias. Na prática, Macário Correia ou Valentim Loureiro foram condenados pelos tribunais em perda de mandato, mas continuam em funções.

A legislação estabelece responsabilidade criminal aos titulares de cargos políticos que violem regras urbanísticas. No entanto, as alterações ilícitas aos planos diretores são prática comum, com ganhos milionários para os promotores imobiliários que financiam os partidos. Por todo o país nascem edifícios ilegais, do Vale do Galante na Figueira da Foz, ao edifício Cidade do Porto… mas a culpa sempre morre solteira. Enquanto em Espanha há mais de cem autarcas presos por crimes urbanísticos, em Portugal nem um! Nem sequer Isaltino Morais, várias vezes condenado, está preso.

Também nunca são acusados os responsáveis pelos desvios orçamentais. Quem contrate à revelia do orçamento incorre em responsabilidade criminal. Mas até hoje não há condenados, não obstante os milhares de milhões de desvios nos orçamentos na administração central e local. Como também não há responsabilização dos políticos que contratam negócios ruinosos para o Estado, tal é o caso das parcerias público-privadas. Além do mais, jamais são recuperados os bens que os corruptos subtraem à sociedade. E seria bem simples, afinal. Os edifícios ilegais deveriam ser demolidos ou, em alternativa, expropriados por valor zero. As fortunas acumuladas na sequência de fraude fiscal ou de processos de corrupção como o do BPN deveriam ser confiscadas. Apreendendo tanto o património detido em território nacional, como até os depósitos em bancos estrangeiros; à semelhança do que outros países vêm fazendo, como a Alemanha, a França, a Itália ou até a Grécia.

Já vai sendo tempo de punir políticos corruptos, retirando-lhes mandatos, obrigando-os a responder perante a justiça e confiscando-lhes as fortunas que têm vindo a acumular à custa do que roubam ao povo português.”

Se é verdade que os nossos governantes continuam a fechar os olhos aos roubos dos políticos corruptos, também é verdade que, a média e baixa sociedade, vai diariamente sendo afogada com aumentos nas mais diversas áreas, abrindo portas ao empobrecimento do povo.

Ver o vídeo que seguidamente publicamos.

VÍDEO

Temos esperança de que um dia Portugal volta a cantar.

 

Amorim Lopes

 

publicado por 59abc59 às 13:15

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013

 

Da Associação Desportiva e Cultural do Pereiro de Mação, recebemos a informação que no próximo sábado dia 19, vão ser cantadas as janeiras.

Para que possam ser informados os amantes de tal evento, publicamos o texto divulgação que aquela asociaão nos enviou.

 

                   

              Associação Desportiva e Cultural do Pereiro de Mação

 

Assunto: Tradição de cantar as janeiras

Data: 14 de Janeiro de 2013

                                             

No próximo sábado (dia 19) a tradição de cantar as janeiras vai repetir-se, mais um ano, na aldeia do Pereiro, concelho de Mação.
Cerca das 20,00 horas, o grupo que habitualmente canta as janeiras naquela aldeia da Beira Baixa vai renovar a tradição, percorrendo todas casas da aldeia que ainda se encontram habitadas.
As pessoas que mantêm de pé esta tradição separam-se em dois grupos: Um canta numa casa e o outro canta numa das casas seguintes. Um grupo canta uma quadra e o outro responde, cantando a quadra seguinte:


O 1º. grupo canta: 

 

 

 … e assim sucessivamente…

No final do cântico, o responsável de cada grupo bate à porta onde estão a cantar e diz: “esmola para as almas”. O dono da casa abre a porta, saúda o grupo e dá o que pode: aqueles que ainda criam ou compram porcos e fazem enchidos, dão chouriços, morcelas ou farinheiras; os outros dão dinheiro ou aquilo que podem.

Terminada a ronda por toda a aldeia, é tradição um dos naturais ou residentes na aldeia convidar os cantadores das janeiras para comer e beber, normalmente produtos tradicionais da terra: enchidos, pão caseiro (acabadinho de coser em forno de lenha, à moda de antigamente), vinho da adega (ou sumo para quem quiser) e doces tradicionais…

Que o convívio corra dentro do que foi planeado e parabéns, muita força e saúde para manterem a tradição.

 

Amorim Lopes



publicado por 59abc59 às 12:06

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2013

Chegou ao nosso conhecimento o vídeo “Gamar com Stayle”, uma versão portuguesa, que no YouTube, na versão original, foi o vídeo mais visto em 2012.

Porque musicalmente é bastante alegre e a sua letra, é uma crítica à situação que todos nós vivemos, entendemos fazer a sua publicação.

VÍDEO

Amorim Lopes 
publicado por 59abc59 às 19:10

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
19

20
21
23
25

29
30


Últ. comentários
Caros e inesquecíveis amigos, Infelizmente não me ...
M/s caros amigos. Lamento não ter podido estar pre...
Não sei se gosto muito do vídeo, a letra da música...
Obrigada por partilhar este vídeo, gostei muito. C...
Esta iniciativa, é muito interessante, mas mais se...
Dia 28 de Jnho um dia igualmente importante, boa m...
Depois do Benfica ter feito o jogo perfeito em Lon...
Visão enformada pela cor clubista. O jogador que ...
É claro que «há água no bico» dos chineses. Querem...
Esta lenga-lenga do comunicado da autarquia dá von...
MAIL
amorimnuneslopes@sapo.pt
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro