E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

Sexta-feira, 05 de Agosto de 2011

Na estrada que liga Mação à Ventosa, sensivelmente a meio do percurso, existe uma propriedade, em tempos ocupada com um cerrado matagal e alguns

pinheiros disperso. Hoje toda aquela área, aproximadamente a 1 Há, está ocupada com olival, medronheiros, vinha e horta. Num recanto da propriedade, existem uns painéis solares para produção de energia.

Toda esta mudança, que transformou o espaço, numa área mais bela e mais produtiva, foi fruto do trabalho, dedicação, paixão e amor à sua terra, de um homem, da Queixoperra, que até há bem pouco tempo, trabalhava na América e que se chama Alberto Maia.

Por todo o trabalho que tem desenvolvido, tornando Mação com mais vida, vão os nossos

parabéns.

Completamos o trabalho, com a publicação de um vídeo e umas fotos, cedidas pelo nosso grande amigo António Colaço.

Amorim Lopes

 

publicado por 59abc59 às 01:32

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

14
17
20

21
23
26

28


Últ. comentários
Caros e inesquecíveis amigos, Infelizmente não me ...
M/s caros amigos. Lamento não ter podido estar pre...
Não sei se gosto muito do vídeo, a letra da música...
Obrigada por partilhar este vídeo, gostei muito. C...
Esta iniciativa, é muito interessante, mas mais se...
Dia 28 de Jnho um dia igualmente importante, boa m...
Depois do Benfica ter feito o jogo perfeito em Lon...
Visão enformada pela cor clubista. O jogador que ...
É claro que «há água no bico» dos chineses. Querem...
Esta lenga-lenga do comunicado da autarquia dá von...
MAIL
amorimnuneslopes@sapo.pt

blogs SAPO


Universidade de Aveiro