E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011

Temos afirmado, que enquanto no Mundo, se olhar em primeiro lugar a questão material e só depois, a questão social, a Humanidade jamais sorrirá.  

Com as declarações, proferidas pelo 3º homem mais rico da Estados Unidos e dos 16 mais ricos de França, felizmente que o debate está a nascer.

Há ricos que voluntariamente, querem ajudar a suplantar a crise em que vivemos. Há ricos, que já se aperceberam, que as suas fortunas, para nada servirão, se as classes médias e baixas, forem economicamente desvalorizadas. Sem estas, os grandes senhores, vão lentamente, também sendo asfixiados. Ser rico, de uma forma lícita, não é crime, mas de uma forma ilícita e à custa da exploração vergonhosa, do humilde e dedicado trabalhador, é altamente revoltante.

Portugal, vive economicamente, um momento bastante preocupante. Os nossos governantes, tentam resolver os problemas, sempre à custa da classe média e dos pobres, classes que até ao momento, não lhes têm feito afronta alguma.  Não seria mais justo, seguir um caminho, com tributações fiscais mais equilibradas e justas? Com um combate penal e fiscal mais rigoroso, activo e dinâmico, contra os abusos e oportunismos?

Felizmente, que com a atitude patriótica de um Homem dos Estados Unidos e das 16

personalidades francesas, que o governo já pensa taxar, as fortunas do nosso Portugal. Esperemos que a Troika não se contraponha. Tomando em conta, o que ouvimos na comunicação social, leva-nos a fazer a pergunta: Haverá ricos em Portugal? Algumas dessas figuras, já afirmam que não são ricas, mas sim trabalhadores. Esquecem-se de dizer, que são trabalhadores, muitas vezes com dezenas, centenas e até milhares de braços a trabalhar. As fortunas que alcançaram, foram fruto da labuta, dos que para eles trabalham, recompensando-os muitas vezes, com famintas esmolas. Trabalhadores, todos nós sabemos que eles são. Gerir também é trabalho. Mas enquanto possuírem riqueza, serão sempre considerados ricos.

Com as declarações agora proferidas, temos esperança, que se algumas decisões forem tomadas, o Mundo, que cegamente

caminha na rota do neoliberalismo, inverta a sua marcha, na direcção de um Mundo mais social, justo e solidário. Necessitamos de riqueza, ganha com critérios justos, trabalho honesto e que contribua, para o surgimento de uma sociedade, mais rica, justa e equilibrada. 

 

Amorim Lopes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por 59abc59 às 16:13

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

14
17
20

21
23
26

28


Últ. comentários
Caros e inesquecíveis amigos, Infelizmente não me ...
M/s caros amigos. Lamento não ter podido estar pre...
Não sei se gosto muito do vídeo, a letra da música...
Obrigada por partilhar este vídeo, gostei muito. C...
Esta iniciativa, é muito interessante, mas mais se...
Dia 28 de Jnho um dia igualmente importante, boa m...
Depois do Benfica ter feito o jogo perfeito em Lon...
Visão enformada pela cor clubista. O jogador que ...
É claro que «há água no bico» dos chineses. Querem...
Esta lenga-lenga do comunicado da autarquia dá von...
MAIL
amorimnuneslopes@sapo.pt

blogs SAPO


Universidade de Aveiro