E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

Sexta-feira, 03 de Agosto de 2012

Ao longo dos tempos, o Bispo das Forças Armadas D. Januário tem sido uma voz em constante dissonância com a forma de governar dos nossos governantes.

Ultimamente, outros membros do clero fazem levantar bem alto a sua voz discordante, quase sempre em defesa da gente explorada, apoiando um mundo mais igualitário, solidário e socialmente mais justo.

Um dos muitos que se manifestou foi  D. Jorge Ortiga, Arcebispo de Braga, na Conferência Episcopal da Pastoral Social, em Famalicão, cujo o vídeo , que de seguida apresentamos, reproduz  bem as suas palavras discordantes. 

VÍDEO

Na mesma linha de pensamento, o Correio da Manhã de hoje, publicou um artigo escrito por D. Manuel Linda bispo auxiliar de Braga, cujo título é:”Capitalismo neoliberalo qual publicamos na íntegra:

“Desgraçadamente, a crise contemporânea está a destruir o que era dado como adquirido.

A partir dos anos 60, a Europa intentou ‘domesticar’ o capitalismo que tanto mal causou desde a revolução industrial: obrigou--o a uma certa responsabilidade ecológica, à promoção dos mínimos de dignidade humana e a contribuir para um fundo de segurança social para que esta fosse em socorro dos trabalhadores quando não pudessem produzir (doença e velhice). A isto chamou-se ‘economia social de mercado’ e passou a ser visto como uma das principais tarefas do poder político, pois só este pode fazer a mediação entre a anomia do capital e o mínimo de ética.

Desgraçadamente, a crise contemporânea está a destruir o que era dado como adquirido. E que era uma marca de optimismo e humanização. A concepção dominante entre os decisores internacionais, mesmo que o não digam, é que a salvação está no capitalismo puro e duro. Consequências? O regresso ao pior do capitalismo selvagem, agora tornado ‘turbo-capitalismo’. O que é bem visível nas sociedades fragilizadas pela desigualdade estrutural, como é a nossa.

Mas o capitalismo neoliberal não será o sistema económico do futuro? A Doutrina Social da Igreja rejeita-o. E eu também. Por várias razões. Refiro apenas três. Em primeiro lugar, porque é individualista e insolidário. De facto, sobra-lhe em inteligência o que lhe falta em coração: é exímio a fazer contas de somar e multiplicar, mas esquece completamente as de subtrair e, muito mais, as de dividir. Além disso, é competitivo. O que significa, em última análise, o domínio do mais forte. Numa dupla direcção: na relação com os parceiros da mesma área, planeia suplantá-los e aniquilá-los mediante os baixos custos de produção; na relação com os trabalhadores, intentando que esse abaixamento dos custos se dê pela via de mais trabalho e pela diminuição do salário e das condições laborais. Em terceiro lugar, o capitalismo suscita o regresso das consciências de classe e das lutas estruturais. Se é verdade que, entre nós, actualmente, as convulsões sociais não têm impressionado pelo número nem pelo dramatismo, não é de excluir a instabilidade. Seremos capazes de encontrar um modelo económico mais consentâneo com a dignidade humana? Estou convencido que este será o grande desafio que se coloca à nossa consciência social neste dealbar do terceiro milénio.”

Quando o Igreja fala da forma como o vai fazendo, é porque as coisas estão mesmo mal.

Nós, com a pureza que nos é timbre, temos aflorado por diversas vezes, parte do que estes homens vêm dizendo, como pode ser provado, consultando os arquivos deste nosso espaço.

Concordamos com quase tudo com o que por eles vai sendo dito. Só com uma mudança de atitude do Governo, é que a situação pode melhorar. As classes média/alta e alta, têm que suportar o pagamento da dívida em maior percentagem. Os pobres e os que estão à porta da pobreza têm de ser excluídos do pagamento da dívida.

Muito recentemente, o governo afirmou pretender criar uma “lista negra”, onde constem os devedores de luz e gás, com montantes acima dos 75 Euros. Concordamos com uma lista, mas onde só constem os que podem pagar e não o querem fazer, ou o não fazem por desorganização e desorientação económica.

Os incumpridores com tais pagamentos que, por questões económicas o não podem fazer, deveriam, em vez de estar numa lista negra, ser contemplados com uma ajuda da parte do governo. E se, no futuro, os mais carenciados não fossem contemplados com aumentos de custos?

Hoje com a informática, isto e muito mais podia ser feito, basta haver vontade e querer fazer.

Mas infelizmente, os ideais dos governantes não é o Mundo solidário, mas, sim, cimentar a arquitectura dum Mundo capitalista sem escrúpulos.

Unidos, com energia e vontade, Portugal vencerá!

 

Amorim Lopes 

publicado por 59abc59 às 14:58

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17
18

19
20
23

26
28
30


Últ. comentários
Caros e inesquecíveis amigos, Infelizmente não me ...
M/s caros amigos. Lamento não ter podido estar pre...
Não sei se gosto muito do vídeo, a letra da música...
Obrigada por partilhar este vídeo, gostei muito. C...
Esta iniciativa, é muito interessante, mas mais se...
Dia 28 de Jnho um dia igualmente importante, boa m...
Depois do Benfica ter feito o jogo perfeito em Lon...
Visão enformada pela cor clubista. O jogador que ...
É claro que «há água no bico» dos chineses. Querem...
Esta lenga-lenga do comunicado da autarquia dá von...
MAIL
amorimnuneslopes@sapo.pt

blogs SAPO


Universidade de Aveiro