E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

Domingo, 23 de Setembro de 2012

É com enorme satisfação, que podemos escrever, tendo como fonte o jornal “O Mirante”, que Mação é um dos concelhos do distrito de Santarém menos endividado.

Efectivamente, segundo lemos no referido jornal, o nosso concelho tem uma dívida a médio e longo prazo (pagamentos a fazer em 20 anos) de 3,410 milhões de euros. É o concelho com menor dívida, sendo os mais endividados Santarém e Cartaxo, com uma dívida respectivamente de 99,204 e 44,606 milhões de euros.

No que concerne a dívidas a curto prazo (pagamentos a fornecedores e prestadores de serviços) Mação deve 1,4 milhões, encontrando-se com dívidas inferiores: Alpiarça 1 milhão de euros e Constância com 624 mil euros.

É justo realçar que, na área económica, os nossos governantes têm-se empenhado ao máximo para fazer bem todo o trabalho de casa, contrariamente ao que se vai passando com o pais, em que o desgoverno do governo vai diariamente se acentuando, encaminhando-nos para injustiças evidentes, para a fome, para a miséria e desemprego.

Para quem não pôde ler o texto do jornal O Mirante, segue de imediato a sua publicação.

O texto já tem umas semanas, mas o que vem por bem, mesmo tardiamente, é sempre bem recebido.

 

"Santarém, Cartaxo e Tomar no pódio dos municípios mais endividados da região 

É um pódio onde provavelmente ninguém gosta de figurar por razões óbvias, mas alguém tem que ocupar os lugares cimeiros da lista dos municípios mais endividados da região e essa distinção cabe a Santarém, recordista com uma dívida total de 99,204 milhões de euros, bem mais do dobro que o segundo classificado, o município do Cartaxo (44,606 milhões). Um degrau mais abaixo está Tomar, com uma dívida municipal total de 38,686 milhões de euros.

Estes valores constam da radiografia mais actualizada à situação financeira de todos os municípios do país, sendo que a dívida total das câmaras a 26 de Maio de 2012 engloba os empréstimos bancários exigíveis a curto ou médio e longo prazo e a dívida exigível a curto prazo, estando neste último item englobadas as dívidas a fornecedores, prestadores de serviços, colectividades e associações, por exemplo.

No top 10 da dívida total dos municípios da área de abrangência de O MIRANTE (21 municípios do distrito de Santarém e Vila Franca de Xira e Azambuja, do distrito de Lisboa) estão ainda, por ordem decrescente: Torres Novas (37,320 milhões); Ourém (36,006); Vila Franca de Xira (33,167); Rio Maior (23,043); Abrantes (21,592); Azambuja (18,169); Entroncamento (17,776).

Acima dos 10 milhões estão ainda os municípios de Alcanena (17,540 milhões de euros), Alpiarça (13,588), Vila Nova da Barquinha (12,241), Chamusca (10,972) e Ferreira do Zêzere (10,841).

No naipe das câmaras mais poupadas encontram-se Almeirim (9,610 milhões de euros), Sardoal (7,581), Coruche (6,634), Benavente (5,470), Salvaterra de Magos (5,459), Constância (4,722), Golegã (3,506) e Mação (3,410).

Tamanho não importa

Pelos dados expostos percebe-se que o valor da dívida não tem correspondência directa com a dimensão ou população de cada concelho, já que municípios como os de Benavente ou Coruche, são bem maiores e mais populosos que os de Alpiarça ou Barquinha, por exemplo, e têm dívidas bem menores.

E essa realidade é também válida para as dívidas de curto prazo a fornecedores e prestadores de serviços que muitos municípios demoram tempos infinitos a liquidar. Também aí Santarém, com 38,7 milhões por pagar, e Cartaxo, com 23,7 milhões acumulados, se destacam da concorrência, sendo Torres Novas a terceira câmara do ranking com 17,3 milhões de dívidas.

Curioso também verificar que algumas autarquias com uma elevada dívida total têm uma dívida de curto prazo reduzida, não penalizando desse modo os agentes económicos e outros que com elas se relacionam. São os casos de Vila Franca de Xira (3,3 milhões de euros), Alpiarça (1 milhão) ou Alcanena (1,4), por exemplo.

Ainda segundo os mesmos dados, Constância é o único município que tem uma dívida de curto prazo inferior a um milhão de euros, mais precisamente 624 mil euros. Mas na casa do milhão de euros, para além das autarquias acima citadas estão ainda Golegã (1,6 milhões), Almeirim (1,7), Salvaterra (1,8), Coruche (1,4), Benavente (1,8) e Mação (1,4 milhões de euros)."

Texto publicado no jornal "O Mirante"

 

Amorim Lopes


publicado por 59abc59 às 23:37

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
15

18
19
22

24
25
27
28
29

30


Últ. comentários
Caros e inesquecíveis amigos, Infelizmente não me ...
M/s caros amigos. Lamento não ter podido estar pre...
Não sei se gosto muito do vídeo, a letra da música...
Obrigada por partilhar este vídeo, gostei muito. C...
Esta iniciativa, é muito interessante, mas mais se...
Dia 28 de Jnho um dia igualmente importante, boa m...
Depois do Benfica ter feito o jogo perfeito em Lon...
Visão enformada pela cor clubista. O jogador que ...
É claro que «há água no bico» dos chineses. Querem...
Esta lenga-lenga do comunicado da autarquia dá von...
MAIL
amorimnuneslopes@sapo.pt

blogs SAPO


Universidade de Aveiro