Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DÁDIVAS

E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

DÁDIVAS

30
Nov12

Ó… PORTUGAL, QUE TÃO MALTRATADO ÉS!...

59abc59

Lemos, no jornal Notícias, que as urgências de Psiquiatria tiverem nos últimos tempos um aumento de 3,5% e as de Clínica Geral uma diminuição de 9,9%.

Diariamente, somos confrontados com notícias de que a pobreza e a fome atingem níveis assustadores.

As empresas fecham diariamente e o desemprego caminha rapidamente para o patamar dos 17%.

No Correio da Manhã, colhemos o gráfico que seguidamente reproduzimos:

GRÁFICO

Feita a análise do gráfico, podemos concluir que a dívida no tempo do Sócrates era má, mas com Passos Coelho passou a ser péssima e com a agravante de o desemprego e a fome atingirem níveis insuportáveis.

Com o Orçamento do Estado para 2013, as perspectivas não são nada animadoras. Diz António José Seguro: “O Primeiro-Ministro vai ter o orçamento que quer, mas Portugal não vai ter o orçamento de que precisa”. A grande maioria dos analistas económicos e políticos profetizam que o desemprego e a recessão irão aumentar.

A todo este ramo tenebroso, falta juntar a magnífica e negra "flor teatral", com um palco encenado a preceito, no qual se movimentou descomplexado e em movimento cadenciado, um arrojado actor, “Homem de coragem”, que deu vida à peça “Vamos Contar Mentiras”. De tal forma fez, que levou ao rubro e fez ter esperança em dias melhores grande parte da plateia- “Portugal”.

E, se a tudo o que acabamos de expor juntarmos um Governo que um dia fala em “alhos” e dias depois fala em “bugalhos”?

Facilmente concluímos que este não governa com base num programa de recuperação inteligentemente delineado, mas, sim, com medidas avulsas, muitas delas para dar satisfação a um certo clientelismo e "Troikismo" e outras, para dar resposta a acusações oposicionistas.

Assim, haverá justificação para que todos nós continuemos a correr riscos? Pensamos que não!

 

Amorim Lopes

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

MAIL

amorimnuneslopes@sapo.pt