Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DÁDIVAS

E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

E agora é o acaso quem me guia. Sem esperança, sem um fim, sem uma fé, Sou tudo: mas não sou o que seria Se o mundo fosse bom — como não é!

DÁDIVAS

20
Set11

A BANDEIRA A MEIA HASTE

59abc59

Um Alto-Comissário da União Europeia, Günther Oettinger, pretende adulterar o sentido dado, por uma Nação, à bandeira a meia haste, “Luto Nacional”.

Efectivamente, sugeriu que todos os países com dívidas, as suas bandeiras fossem colocados a meia haste. É uma declaração estonteante, querer atribuir à bandeira a meia haste, o significado de que um povo está endividado. Nada justifica tamanha afronta à dignidade de uma Nação.

Ao contrário do que foi referido, gostaríamos de ouvir denunciar, com outra forma de sinalização, os países onde a fome, miséria e pobreza, atingem taxas elevadas. Mas numa Europa em

que vivemos, onde a solidariedade, começa a ser riscada do vocabulário, onde a França e Alemanha, começam a impor regra, para defender os seus interesses, atitude como a que acima referimos, não nos surpreende.

Temos constantemente apelado, para que o interesse económico, jamais supere o benefício social. Infelizmente, a realidade é a inversa. O neoliberalismo ganha constantemente mais adeptos, tenta a todo o custo e o mais rapidamente, dominar zonas estratégicas. No nosso País, é ver diariamente, serem

retirados benefícios sociais, com a justificação, de querer equilibrar a situação económica. Não haverá outros caminhos, para equilibrar a nossa economia?

A propósito do tema, achamos haver interesse, ler o texto que seguidamente apresentamos.

 

A meia haste

O comissário europeu alemão Günther Oettinger propôs que as bandeiras dos países endividados fossem postas a meia haste nos edifícios europeus. A declaração é chocante pela insensibilidade que revela: os países põem as bandeiras a meia haste devido a luto nacional. Que um comissário europeu se proponha equiparar a dívida ao luto nacional para menorizar a bandeira de alguns países revela um enorme desprezo pelo estado de luto de um país.
No entanto, este comissário não passa de um exemplo do que é hoje a Comissão Europeia, que, tendo a função de guardiã dos tratados, assiste impávida e serena à efectiva tomada do poder na Europa por parte de alguns estados-membros. A posição deste comissário expressa a realidade de um novo poder na União Europeia, que já mandou alterar as constituições e os tratados, e se permite mesmo mandar às urtigas a igualdade dos estados europeus, humilhando alguns símbolos nacionais.
A humilhação que sofremos está ligada à subserviência que adoptamos perante as imposições externas. Quando um país aceita alterar a sua constituição apenas porque um governante estrangeiro assim o entende, não pode esperar depois ser tratado como um verdadeiro país independente. A crise que Portugal atravessa não é apenas financeira: é sobretudo moral. Já ninguém defende a nossa bandeira como o alferes Duarte de Almeida na batalha de Toro, que não a deixou cair mesmo depois de ter perdido os dois braços.

 

 Luís Menezes Leitão,
Professor da Faculdade de Direito de Lisboa

 

 O momento que vivemos é grave, mas estamos confiantes na vitória. Todos juntos, havemos de fazer Portugal, pois a “união faz a força”.         

 

Amorim Lopes

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

MAIL

amorimnuneslopes@sapo.pt
Em destaque no SAPO Blogs
pub